12 de agosto de 2011

A vivência com o cavalo através da Equoterapia


Os movimentos cadenciados do animal e a alegria de comandá-lo fazem com que a participação ativa do praticante no decorrer da terapia traga diversos pontos positivos. Pesquisas apontam que a convivência com os cavalos, através das terapias permite maior liberdade de expressão, aumento da auto-estima e da auto-afirmação, diminui a incidência de problemas cardiovasculares, auxilia a família na diminuição do estresse e permite uma maior interação social.

“Em uma sessão de Equoterapia após trinta minutos de exercício, o paciente terá executado de 1,8 mil a 2,2 mil deslocamentos que atuam diretamente sobre o seu sistema nervoso profundo, aquele responsável pelas noções de equilíbrio, distância e lateralidade. Ou seja , o simples andar do animal faz dele uma máquina terapêutica capaz de garantir ao deficiente uma capacidade motora que ele não possuía e, assim, restituir-lhe, pelo menos em parte, as funções atrofiadas pelo comprometimento físico." ( Revista ISTO É, 16/10/96)
Na equoterapia é muito importante o processo de chegada, aproximação e despedida do animal, visto que um vínculo forte é estabelecido, pois trata-se de um ser vivo, maior em porte e altura do que o praticante e, que remete uma sensação agradável com o deambular e calor de seu corpo, pois sua temperatura é mais alta que a do ser humano.
No final da terapia a descontração e o relaxamento com a volta ao passo lento (após ter passado alguns momentos pelo trote certos praticantes), servem para que o praticante e o animal retornem ao seu batimento cardíaco normal e se despeçam.
Torna-se um ritual o abraço da chegada e o da despedida, além de carinhosos afagos no animal durante o decorrer da terapia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário