6 de outubro de 2011

O Auxiliar-Guia na Equoterapia


O condutor ou auxiliar-guia é o profissional responsável pela condução do cavalo durante uma sessão de Equoterapia, e também responsável por manter a qualidade do passo em todas as suas variantes de amplitude e freqüência  e ainda executar todas as mudanças, de andamento ou de direção, de forma correta, respeitando sempre as limitações morfológicas do cavalo e preservando o equilíbrio do praticante, exceto quando este for desestabilizado por uma proposta terapêutica.
Para a execução correta da condução torna-se necessário o desenvolvimento de técnicas específicas, estudo etológico e treinamento. O cavalo deve estar apto a executar com perfeição o passo, engajado, calmo e atento bem como as mudanças de direção e as figuras de pista.
O treinamento do cavalo é realizado pelo Equitador habilitado, porém o condutor deve aprender as técnicas necessárias para substituir os comandos do cavaleiro montado pelos comandos dados do chão.
Para executar tais comandos com exatidão o condutor deve conhecer o
posicionamento e a distancia correta para a condução, bem como sincronizar seus passos, manejar as rédeas e a guia (e o chicote) e posteriormente executar as mudanças de direção, as mudanças de lado, as figuras de pista utilizadas na Equoterapia. Deve também ter conhecimento sobre o uso correto das embocaduras e a linguagem universal das ajudas.
O início de um bom treinamento de condução é entender o comportamento eqüino, qual o espaço seguro e o espaço limite de pressão bem como entender as suas reações mais singelas. O processo de desenvolvimento de uma condução técnica inicia-se preliminarmente com uma estruturada relação de comunicação.
A rédea conectada entre as mãos sensíveis do condutor e a boca sensível do cavalo é o “fio de conexão” que leva e traz informações do cérebro humano para o cérebro eqüino, e faz o cavalo perceber a indicação dos movimentos desejados.
A mão do condutor que empunhar as rédeas deve respeitar uma distancia mínima de 10 cm da parte posterior da face, mantendo o braço em flexão de 90 graus controlando assim o cavalo por completo e promovendo inclusive o engajamento dos posteriores. A mão oposta deverá segurar a guia de segurança que deve estar presa em anel mediano e mosquetão de giro deixando folga entre a extremidade presa ao cavalo e a mão do condutor.
A condução desta forma irá manter o cavalo na freqüência e amplitude desejada ao seu passo, engajado e flexível, bem como calmo e atento.
O condutor de posse desses conhecimentos estará apto a promover uma condução preservadora das qualidades do movimento e contribuinte das ações multidirecionais exercidas pelo passo do cavalo.
Porem, o trabalho com cavalos e mais especificamente com Equoterapia deve, além de ser baseado em fundamentos técnico-científicos, fundar-se no amor e respeito pelo animal e no intuito de promover o desenvolvimento humano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário