27 de janeiro de 2012

Efeitos no Praticante


Um indivíduo é uma estrutura vertical, com o centro de gravidade bastante alto, equilibrada em uma base relativamente pequena.
O esqueleto que suporta o corpo é formado por um complexo de ossos articulados entre si, capaz de manter a postura ereta contra a ação da gravidade, sem uma atuação coordenada de agrupamentos musculares. Porém, a sustentação postural deve ser mantida sem nenhum esforço consciente e sem fadiga em uma pessoa normal acordada, como relata Freire.
Com fins de estabilidade, o dentro de gravidade deve ser mantido dentro de uma pequena variação de deslocamento.
Entretanto, seres humanos estão quase sempre em movimento, balançando pra frente e pra trás e lateralmente. Mesmo quando parado calmamente, ocorrem sempre pequenas oscilações, que traduzem um equilíbrio instável, necessitando de constantes adaptações.
O individuo em pé seria facilmente tombado se não fosse protegido por mecanismos de reflexos de ajustes posturais.
Os principais centros  coordenadores de sustentação e do equilíbrio são: os gânglios da base, os núcleos do tronco cerebral e a formação reticular.
Eles agem em resposta aos estímulos detectados por vias sensitivas nervosas, provenientes da visão, do sistema vestibular, da pele, das articulações e dos tendões musculares.
Essa integração provê os certos coordenadores como um “mapa” da posição espacial do corpo inteiro.
É difícil atribuir importância especifica a qualquer um dos detectores de equilíbrio, como a formação visual, órgãos vestibulares, os receptores dos tendões musculares.
A caminhada é um movimento primordial para a aquisição dos reflexos posturais de forma inconsciente e para as adaptações contínuas na sustentação do corpo.
Para maior aperfeiçoamento do equilíbrio postural, é importante que o indivíduo experimente sensações diversas de arranque e freadas, caminhe em terrenos planos e irregulares, em linha reta e em curvas.
Na equoterapia, o movimento que o cavalo produz é semelhante ao andar humano e promove uma estimulação sensória motora e proprioceptiva em pessoas que não deambulam ou deambulam de forma precária, como relata Tintrelin.
É importante verificar as diversas maneiras nas quais as relações ou os reflexos no desenvolvimento do processo terapêutico são estimulados.
Os mecanismos de resposta de feedback, diante da oscilação do corpo do praticante durante a andadura ao passo, proporcionam o amadurecimento postural.
É necessário aplicar estímulos adequados, visando atender ás necessidades especiais de cada praticante

Nenhum comentário:

Postar um comentário