2 de janeiro de 2013

Mangalarga marchador é considerada raça nacional

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural aprovou o Projeto de Lei 4158/12, do deputado Arthur Oliveira Maia (PMDB-BA), que declara como raça nacional o cavalo mangalarga marchador. O argumento de Maia é que se trata de uma espécie genuinamente brasileira, com habilidade para a marcha e origem nos tempos da colonização portuguesa do Brasil. O relator na comissão, deputado Abelardo Lupion (DEM-PR), recomendou a aprovação da matéria.

– [A raça] foi formada aqui e teve significativa influência na história do Brasil, ao participar de todos os ciclos econômicos como meio de transporte ou tração, moeda de troca, mercadoria e lida com o gado – afirmou.

Na avaliação de Lupion, a classificação como raça nacional evitará que a propriedade intelectual da espécie seja declarada por algum outro país. A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Características

Segundo informações da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador (ABCC Mangalarga Marchador), a raça foi obtida por meio do cruzamento de cavalos da raça Alter, trazidos de Portugal pela família real, com éguas selecionadas da fazenda do Barão de Alfenas, no sul de Minas Gerais, há mais de 200 anos.

A marcha do mangalarga, segundo o relator, é seu grande diferencial, que o contrapõe aos animais de trote.

– O mangalarga tem uma marcha confortável. Ele não transmite ao cavaleiro os impactos do contato com o chão – explicou Lupion. A espécie também é elogiada por ser dócil, resistente e inteligente.

Os representantes da raça têm porte médio, com altura mínima de 1,47 metro e máxima de 1,57 metro. A espécie tem sido regularmente criada desde 1949, quando foi fundada a ABCC Mangalarga Marchador, com sede em Belo Horizonte. Atualmente a entidade conta com mais de 6,5 mil sócios. Mais de 450 mil animais já foram registrados.

Fonte: Agência Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário