8 de abril de 2013

Déficit de Atenção com Hiperatividade: mentes inquietas

Oi, amigos!

Hoje vamos entender um pouquinho do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) que atinge cerca de 5% das crianças no mundo.

Com a dificuldade de atenção e comportamentos hiperativos, a criança com TDAH (tipo misto) sofre com problemas de aprendizagem, situação esta amenizada por meio de ganhos ocasionados pela Equoterapia, que proporciona um melhor raciocínio lógico, capacidade de concentração, atenção concentrada, o “pensar antes de agir”, ou seja, uma melhora em vários aspectos de seu desempenho escolar (ESCOBAR, 2008).

 É possível que uma criança com TDAH tenha um bom rendimento escolar, mas para isso pais e professores devem saber a melhor maneira de lidar com ela, pois seu processo de aprendizagem é diferente das demais crianças. Confira outros dados importantes sobre a doença...


1. Qual é a causa do TDAH?

A predisposição hereditária existe, mas não explica esse transtorno neurobiológico. Famílias com portadores de TDAH apresentam índice mais elevado de a doença aparecer entre os seus. Mas vale lembrar que cada indivíduo é uma história, de características que lhe são próprias e a mais ninguém, o que tira o peso da generalização

2. Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico do TDAH deve ser feito após a criança ter sido avaliada durante seis meses, no mínimo. A respeito dessa avaliação, Carin Primavesi Silveira recomenda: "Pais devem prestar atenção, sobretudo no comportamento da criança em idade escolar, pois será no contato diário com os colegas e professores que ela vai apresentar sinais de TDAH, afetando seu aprendizado"

3. Quais são os sintomas de uma criança com TDAH?

A criança com TDAH não é capaz de prestar atenção, nem segue as instruções até o fim, deixando as tarefas pela metade. Também é bastante desorganizada, perdendo o que é importante em seu dia a dia, de lápis a caderno da escola. "Ela também fala em excesso, dá a impressão de estar a mil por hora e não gosta de ficar imóvel, sentada", acrescenta Carin.

4. Como os pais devem lidar com um filho que possui TDAH?

Carin enfatiza o papel da educação no tratamento desse distúrbio. "Criança com TDAH precisa ter disciplina, aprender a esperar e a terminar o que começou, assim como dormir em horários apropriados, respeitar limites... Tudo isso auxilia o seu comportamento dentro de casa - e fora dela também. Pais superprotetores também atrasam o seu desenvolvimento".

Os pais também podem organizar uma rotina saudável: crianças com TDAH têm deficiência de dopamina, neurotransmissor que atua no cérebro promovendo a sensação de prazer e de motivação. Por isso, elas precisam se expor ao sol, que estimula a produção de vitamina D que, por sua vez, repõe a dopamina no organismo.

A atividade física também é recomendada, uma vez que auxilia na produção de dopamina e de outros hormônios essenciais à saúde. "Essas crianças necessitam ainda de sono, daí a sugestão de elas aprenderem a ir cedo para a cama, rotina que deve ser adotada pelos pais", sugere Carin. "Afinal, a qualidade de sono influencia o sistema nervoso, a memória, a capacidade de aprendizagem, a concentração, a hiperatividade e o equilíbrio emocional."

5. Como uma criança com TDAH aprende melhor?

Em sala de aula, os professores devem aprender a gerenciar o déficit de atenção, facilitando o aprendizado da criança com esse tipo de problema. "Criança com déficit de atenção precisa de estruturação. A organização externa, com o tempo, se torna interna", diz Carin.

Ao professor isso significa, por exemplo, fazer um roteiro da aula deixando claro para essa criança o que deve ser cumprido; estabelecer regras - essa criança precisa entender que não pode falar na hora errada, nem dispersar os colegas; avisar sobre o que vai fazer em seguida, preparando a criança para a nova tarefa; fazer uso de computador, música, vídeo, jogos e teatro - quem sofre desse distúrbio, aprende melhor visualmente. "E repetir, repetir, repetir a mesma história, sem perder a paciência", aconselha a especialista. "Será desse modo que a criança com déficit de atenção vai gravar um assunto, memorizar". O elogio também é fundamental. "O professor deve se preocupar em dar um retorno, transmitindo encorajamento, por exemplo. Será pela emoção que essa criança irá aprender", destaca Carin

6. Como é o tratamento?

Por ser um transtorno que afeta uma determinada região do cérebro (exatamente a que é responsável por comportamentos considerados inadequados), alterando o funcionamento dos neurotransmissores e suas conexões, é importante se alimentar com nutrientes específicos para o sistema nervoso central.

"O funcionamento saudável do sistema nervoso é determinante para o desenvolvimento emocional infantil", realça Carin. "Por isso, a nutrição deve ser orientada para repor as deficiências de minerais e vitaminas hoje tão sentidas em todos nós, caso da criança com TDAH." A própria Carin tem história exemplar para contar: uma de suas três filhas, que sofreu desse transtorno na infância, só ganhou qualidade de vida após receber uma dieta especial à base de zinco e cobre, levedura de cerveja e ômega 3, além do combate sistemático à verminose. "Os intestinos são considerados o nosso segundo cérebro, onde existem 300 milhões de neurônios... Mais uma razão para combater os vermes", destaca.

Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/deficit-atencao-hiperatividade-mentes-inquietas-730974.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário