21 de abril de 2013

Equoterapia em países tradicionais

Foto de Horse Therapy
Alemanha, Suíça e Áustria, são países que possuem tradição na Equoterapia, em que a utilização do cavalo nos programas da hipoterapia, educação e re-educação, merecem atenção especial, pois há anos as tratativas de intercâmbio das atuações são realizadas nos três países. (Bernhard Ringbeck; 2009)

O tema de formação em Equoterapia é complexo em todos os lugares, sendo que nos países em questão, há critérios em comum e outros divergentes.Cabe ressaltar aqui, que se considera de extrema importância aprofundar este estudo posteriormente, na sua contextualização para o Brasil com os técnicos da ANDE-BRASIL, na busca do contínuo aprimoramento da formação dos profissionais da Equoterapia, e consequentemente o monitoramento da qualidade dos atendimentos.


A associação Alemã, Deutsches Kuratorium für Therapeutisches Reiten e.V. (DKThK) é a mais antiga dos três países, e conta com 35 anos de existência e mais de 3 mil pessoas formadas nos respectivas programas da Equoterapia. As capacitações ocorrem em cinco programas distintos, em que cada especialista se capacita na sua área.O fato de os profissionais se capacitarem em Equoterapia dentro da área de atuação específica, não exclui o trabalho interdisciplinar na prática da Equoterapia, e as especializações em Equoterapia são reconhecidas pelos órgãos públicos com exames finais e trabalhos apresentados por escrito.

Assim, a Alemanha divide as especializações em: Hipoterapia, Esporte para pessoas com deficiência, Educação e re-educação na área pedagógica, Equoterapia com enfoque psicoterapêutico e Tratamento de terapia ocupacional no cavalo.
Estes programas são fundamentados na atuação da medicina, pedagogia, psicologia e equitação. O cavalo é visto como elemento central e oferece o diálogo para o movimento e relação como princípio da Equoterapia. Os três países estabeleceram critérios minuciosos para seleção dos candidatos que buscam a profissionalização em Equoterapia, e é imprescindível o conhecimento e a prática com o cavalo antes do início da capacitação.

A Alemanha, neste pré-requisito, segue o manual Ausbildung-und Prüfungs-Ordnung (APO) da associação, Deutsche Reiterliche Vereinigung e.V. (FN), em que todos os candidatos devem ser instrutores de equitação fundamental chamado de Trainer C, e habilitados nos conhecimentos básicos da hipologia, etologia, manejo e curso completo de equitação - CCE. Importante dizer que a formação na parte do Western também é aceita, porém o grau do conhecimento e prática exigidos, corresponde com a formação em equitação clássica.

Na Suíça é solicitado um currículo específico da formação equestre, com possibilidade de aprimorar este conhecimento nos dois anos de capacitação em Equoterapia. A Áustria adotou critérios parecidos com os da Alemanha, em que aceita a certificação desde país, ou exige a capacitação pelos respectivos órgãos públicos locais, no caso a certificação do Reitwart pela FENA da Áustria.

Para poder concorrer às vagas de formação em Equoterapia, é solicitada a presença do postulante num final de semana nos centros filiados e credenciados para cursos, com explanação introdutória dos assuntos da Equoterapia. Também se faz necessária a apresentação de currículo e justificativa pessoal dos motivos na busca da profissionalização. A Suíça faz exigência da comprovação de trabalho realizados na área da saúde ou pedagogia por mais de dois anos, ou seja, profissionais recém-formados não podem disputar as vagas. Os três países adotam a formação em vários anos, com um período de intervalo entre o curso básico e o avançado preenchido por no mínimo um ano de atuação prática comprovada em Equoterapia. Portanto antes da primeira formação, se exige a comprovação de um lugar para estágio durante o período de formação. Dessa maneira, os estágios e os relatórios de atendimentos fazem parte da documentação obrigatória antes do exame final, ou fim da formação.

Módulos complementares aos cursos de Equoterapia se fazem necessários na Áustria, nas áreas específicas de cada profissional, em locais reconhecidos pelas respectivas instituições acadêmicos. A associação - Östereichisches Kuratorium für Therapeutisches Reiten OKTR realiza módulos obrigatórios, e aborda alguns temas voltados para o cavalo, tais como: autopercepção corporal com e sem cavalo, treinamento do cavalo para terapia e como trabalhar com os pais dos praticantes da Equoterapia.

Contudo, este pesquisa inicial, sugere muitas possibilidades na busca do aprimoramento em Equoterapia nas suas especificidades e formações. O Brasil, que conta hoje com mais de 8 mil profissionais habilitados em trabalhar com Equoterapia, e tantos outros que buscam todos os anos os cursos básicos, poderia agora pensar em institucionalizar através da ANDE-BRASIL a especialização em Equoterapia, inclusive com o reconhecimento do próprio Ministério da Educação - MEC.

A Equoterapia nos últimos 20 anos ganhou milhares de profissionais que acreditam nos seus benefícios e desejam utilizar o cavalo nas suas intervenções terapêuticas. O momento histórico da ANDE-BRASIL, fundadora da Equoterapia no Brasil, sugere elaborar planos estratégicos de políticas e ações junto aos órgãos públicos e centros filiados, para a implementação das diretrizes e atuações para capacitação de especialista em Equoterapia.

ADAPTAÇÃO: ©Direitos autorais: Ute Hesse
Psicóloga do Centro EQUOHESSE

Nenhum comentário:

Postar um comentário