13 de junho de 2013

Psicologia Equina aplicada ao treinamento e julgamento


Ao longo do tempo, com os bons tratos, os cavalos desenvolvem afeição e amizade com crianças e adultos. Na rotina de manejo e diante de algumas situações que se apresentam durante os julgamento e atividades esportivas, os equinos podem demonstrar diversas reações emotivas:

- Medo: O cavalo é naturalmente medroso, corre diante do perigo, e raramente se defende. Assim, sobrevivia e proliferava em estado selvagem. Situações corriqueiras, diante das quais demonstra medo são: baia escura, fumaça, fogo, sons altos, terrenos perigosos. Não confundir o medo com a timidez e a histeria. A timidez é típica de cavalos muito curiosos, que têm vontade de se aproximar de algum objeto ou outro animal. A histeria está associada à má índole, aos animais intratáveis. O processo da doma racional elimina o medo do homem e desenvolve a confiança.

- Amizade: O cavalo é um animal de hábito gregário. Quando sozinho, costuma ficar tenso, inquieto Madrinha com facilidade, em qualquer sistema de criação, identificando os companheiros pela visão, olfato e relinchos. Potrinhos (as) recém-apartados devem ser mantidos em grupos, a fim de sentirem segurança. A amizade com o homem desenvolve-se com o tempo, através dos bons tratos.


- Afeição: Com o desenvolvimento da amizade, o cavalo aprende a sentir afeição pelo homem. Atitudes que estimulam a afeição: trato do pelo, fornecimento de alimentos apetitosos (verde e ração), momentos em que é comum a emissão de sons peculiares; recompensas após as lições corretas.

- Raiva: É uma das reações mais fortes, podendo se manifestar contra outros da própria espécie ou o próprio homem. A raiva está associada à má índole e esta à pouca treinabilidade. Reações corriqueiras de raiva aos atos de casquear, ferrar, selar, enfrenar, arrear, esporear, equitação inadequada, aplicação de injeções, tosa. Na doma tradicional as reações de raiva são as mais extremas possíveis. Cavalos difíceis de lidar geralmente são contidos com argolão e cabrestos com corrente.

- Proteção: Os exemplos mais comuns deste aspecto emotivo podem ser percebidos nas atitudes da égua parida em relação à sua cria e do garanhão em relação à sua manada.

- Alegria: Pode ser percebida no galope saltitante de potros (as), no relincho de um animal que se encontra sozinho quando vê a aproximação de companheiros, as brincadeiras nas pistas de julgamento, no redondel e no próprio desempenho de atividades esportivas.

- Curiosidade: Bons exemplos da curiosidade são as éguas solteiras cheirando as crias de éguas paridas, o contato pelo olfato com novos integrantes do grupo, a aproximação cautelosa de objetos estranhos (não confundir esta atitude com o medo). Os garanhões e os animais mais inteligentes tendem a ser mais curiosos.

- Excitação: É um aspecto emotivo facilmente percebido nos animais em liberdade, quando soltos de suas baias, ou quando fazem reconhecimento de objetos ou de um novo lugar. Os indicativos da excitação podem ser variados, tais como: passo tenso, trote lento (em "slow motion"), deslocamentos mais elevados e alongados, galope tenso, cabeça alta, sopros, orelhas móveis, cauda rígida, olhar fixo e com brilho, dentre outros.

Fonte: Vida de Cavalo - Equicenter

Nenhum comentário:

Postar um comentário