4 de setembro de 2015

Garoto doma autismo

Garoto doma autismo e inicia carreira inédita nos Três Tambores

João Aoqui, de 11 anos, é o primeiro autista a participar de competições no Brasil; garoto tem transtorno afetivo bipolar e síndromes de Tourette e Asperger


João Aoqui é o primeiro competidor com autismo a disputar a prova dos Três Tambores no Brasil. Mas antes de entrar para a história do esporte, o garoto de 11 anos teve de enfrentar barreiras desagradáveis de transtornos e sofrimentos - pessoal e familiar -, superado pelo trabalho, estudo e dedicação de uma equipe de equoterapia
O grito no amanhecer sinalizava o despertar de uma criança transtornada. Um autismo provocado pelas síndromes de Tourette e Asperger, mais um transtorno afetivo bipolar, causava reações físicas e principalmente psíquicas desesperadoras na família Aoqui. Ele tinha apenas cinco anos quando Adriana e Carlos Eduardo, mãe e pai de João, tiveram conhecimento sobre o distúrbio. Ele acordava pela manhã e gritava, chorava, dizia que nós não o amávamos e que fugiria de casa. Tivemos que esconder as chaves em alguns momentos. Tive que andar por duas horas com ele, "até o fim desta rua", por causa da sua inquietação. Passamos por situações desesperadoras - explicou a mãe que, desde então, passou a buscar soluções em diferentes clínicas e consultórios. E foram inúmeras respostas. 
Um médico recomendou uma espécie de "prisão domiciliar" para evitar conflitos com outras pessoas. Outro chegou a indicar uma internação em hospital psiquiátrico, mesmo este sendo apenas para adultos. E todos receitavam remédios. À medida que eles eram aplicados, o organismo de João, ainda em desenvolvimento e em fase de crescimento, começava a responder negativamente. O fígado, órgão mais afetado, estava com os dias contados.
Ele não tinha outra saída. Era preciso parar com a medicação pois o fígado estava sendo atacado - disse Adriana. Surgiu, então, a indicação da equoterapia.
Quando chegou ao haras pela primeira vez, em novembro de 2013, João não tinha forças para subir no cavalo. As dificuldades, do caminhar à concentração, eram enormes e dificultavam as primeiras cavalgadas.
Ele chegou muito debilitado, com dificuldades no andar, sem forças na perna - contou a treinadora Francine Baldo, competidora dos Três Tambores e equoterapeuta.
Aos poucos, aberto à nova experiência, João se familiarizou com o cavalo, com as pistas, com esporte. A ansiedade baixou, o comportamento melhorou e, em três meses de atividades, os resultados eram perceptíveis aos olhos de quem pouco entendia do assunto.
Ele estava ficando em cima do cavalo sozinho. Mais do que isso, ele mudou completamente a forma de se relacionar com as pessoas. O comportamento era outro - comentou a mãe.


Além de cavalgar, Francine Baldo explicou que João participa diretamente no trato do animal. Ele pega o cavalo na cocheira, escova, dá banho e até ajuda na alimentação.
Esse contato é ótimo porque as pessoas com necessidades especiais costumam apresentar movimentos bruscos. Como o animal exige essa calma, movimentos mais suaves, eles acabam trabalhando essa noção de tempo e espaço. Isso melhora muito o comportamento - disse Francine, que citou outros benefícios como equilíbrio e fortalecimento muscular.Nesta sexta-feira, João entrou pela primeira vez na arena do Parque do Peão de Boiadeiro de Barretos, durante a 59ª edição do rodeio mais tradicional do Brasil. Embora não existam registros oficiais em outros países, João é considerado o primeiro autista a participar de uma competição oficial.
Nós pesquisamos em diversos países e não encontramos resultados. O ingresso do João em competições é um sonho para mim. Quero criar uma categoria dentro dos Três Tambores para pessoas com necessidades especiais. Fico feliz com essa oportunidade dada a ele - comentou Francine Baldo, que já havia acompanhado uma apresentação do João no Rodeio de Americana.


"A equoterapia nos devolveu uma vida". A frase resume a sensação de alívio e o sentimento de uma mãe desesperada, cansada de conviver com o sofrimento do filho. Ela jamais imaginara que um tratamento como este traria um resultado positivo num curto espaço de tempo.
Ele sofre bastante porque tem um sensibilidade sensorial acima do normal. Ele tem dificuldades de interpretar um som, um cheiro, um gosto. Tudo é exagerado e isso causa um transtorno muito grande. Só que aos poucos ele foi melhorando. O principal sinal foi quando ele levou um tapa de uma outra criança no parquinho de um restaurante e veio até a nossa mesa, dizendo que apanhou. Em outra época, ele teria revidado. Isso é gratificante - lembrou Adriana.
João ficou três anos sem frequentar uma escola. Segundo a mãe, foram várias tentativas de colocá-lo em uma sala de aula - e inúmeras negativas.
As escolas não estão preparadas para receber crianças com necessidades especiais e preferem pagar multas a receber uma. Falei com pelo menos cinco e nenhuma delas o aceitou. O tratamento ajudou nesse aspecto porque ele apresentou uma melhora de comportamento, facilitando esse convívio, a aprendizagem, o relacionamento - explicou Adriana, que não esconde o orgulho de vê-lo matriculado em uma escola.




Fonte: Globo Esporte


Nenhum comentário:

Postar um comentário